Quantidade e/ é qualidade? Sobre os 18 trabalhos aprovados no Intercom Norte 2018

Sabe-se que a quantidade de forma alguma pressupõe qualidade. Não raramente, ambas nem conseguem caminhar juntas. Academicamente, no entanto, em alguns casos, a quantidade mostra que há sim crescimento de qualidade e também um fortalecimento de percepções, compreensões e mesmo certa “ousadia” pra discutir temas e “comprar” ideias e ideais “diferentes”. Estranho? Talvez.

Isto talvez fique mais claro se observarmos que este ano, seja como autor, co-autor ou orientador, tive o número de 18 trabalhos aprovados (número que não tenho a menor pretensão de repetir e muito menos superar futuramente) no Congresso Regional de Ciências da Comunicação, o Intercom Norte , nas três categorias que o evento disponibiliza: Intercom Jr.; Expocom e Divisões Temáticas (DTs). Ano passado, no Intercom Nacional, foram 15 aprovações (11 delas estão cadastradas aqui – em outras quatro alguns alunos ‘esqueceram’ de me cadastrar rs. – mostram que ninguém publicou mais no evento do que eu). 

Mais que “massagear” o ego (ou aliviá-lo diante da enorme auto cobrança que tenho em tudo), obviamente (ainda que isto não signifique de fato qualquer grande tipo de satisfação interior), é importante notar e destacar o processo de “criação de vontade” nas discussões acadêmicas nos alunos e amigos e também por incentivar a competitividade – que julgo necessária em praticamente tudo na vida – acadêmica, mas sempre ética, com humildade (e quem me conhece de fato sabe que não abro mão disto!), responsabilidade, discernimento e (muita) paciência!

Isto fica mais interessante ainda por perceber pessoas esforçadas que tiveram ótimo resultado. Isto que vale a pena, afinal toda a dedicação é pelos e para os alunos, ajudar (ou ao menos não atrapalhar) em sua formação. Exemplo disso é o admirável A liberdade voa! Estética, empoderamento e ressignificações em Dove, de Pillar Point, de Patrick Almeida, da Estácio.

De acordo com ele, “em relação ao processo, percebi que ele necessita de dedicação, devido a pesquisa e a leitura, mas gostei muito de fazer e o conhecimento que eu adquiri com leitura me ajudou muito. Eu fiquei feliz pelo trabalho ter sido aceito, eu já havia produzido um trabalho para o Intercom, com uma amiga. Não tivemos o cuidado de fazer uma pesquisa para embasar nossos argumentos, foi feito as pressas. Fui coautor, e dessa vez enviei um trabalho como autor. Ler a palavra ‘aceito’ no site do Intercom vale muito, é o reconhecimento pela dedicação para desenvolver um artigo”, destacou.

Veja a lista de aprovados no Intercom Jr:

1. A liberdade voa! Estética, empoderamento e ressignificações em Dove, de Pillar Point – Patrick Almeida (Estácio)

2. “Repertório” de clichês? Uma análise semiótica das propagandas sobre os 400 anos de Belém nos jornais da capital paraense – Andreza Alves e Ana Karoline Figueiredo (Estácio)

3. Por todas as telas? a produção audiovisual paraense e as estratégias de visibilidade na Web – Sara Lima e Tamires Oliveira (Fapan)

2. As “ofensas seletivas” nas polêmicas dos reajustes: machismo e discurso de ódio nas críticas a Dilma Rousseff e a Michel Temer – Deyze do Nascimento e Andreza Alves (Estácio)

5. Para encantar quem? A playlist “Pará te encantar”, repetições e a idealização da música na Amazônia – José Carlos Almeida da Rosa, Eduarda Dias e Thiago Favacho (Estácio)

6. Preço da assinatura do Spotify aumentou! E agora? Netnografando o consumo do aplicativo no novo mercado fonográfico – Addam César e Christian Oliveira (Estácio)

7. De Macarena ao Despacito: os percursos da música latina através do ciberespaço – Daniela Teles Sarmanho (Estácio)

8. A castanha “é” do Pará, da Amazônia ou do Brasil? Gastronomia, identidades e identificações no ciberespaço – Tamiris Miranda, Andreza Alves e Thiago Favacho (Estácio)

Há, no entanto, quem já possua experiência na aprovação e participação no Intercom, inclusive no Expocom, categoria que premia trabalhos “práticos” que se destacaram em trabalhos para disciplinas ou ainda em Trabalhos de Conclusão de Curso.

Para minha amiga Andreza Alves, hoje “orientanda” e que já “milita” no evento desde quando nem imaginávamos estar juntos na mesma instituição, “é o terceiro ano seguido que participo do Intercom e sempre existe uma emoção, um aprendizado novo, seja durante a produção dos trabalhos ou dos eventos. Esse ano de 2018, são mais trabalhos aceitos do que nos anos anteriores, e também uma grande responsabilidade que será vivida por e com meus amigos de pesquisa. Estou animada e empolgada pelo o que virá. É uma experiência muito interessante para os estudantes/profissionais de Comunicação, sem falar que te leva para lugares que você nunca imagina que iria conhecer, como é o caso de Vilhena, cidade que será o Intercom Norte 2018″. Andreza teve oito trabalhos aprovados no evento.

Quem também vai para mais uma edição do Expocom são Sara Lima e Tamires Oliveira, orientandas desde quando eu era professor na Fapan, até o fim do ano passado. Com três trabalhos aprovados para esta edição do evento, Tamires afirma que “o Intercom é um espaço que motiva os alunos a escrever, criar e desenvolver nossas habilidades. Como participantes de segunda viagem, estávamos com grande expectativa pela aprovação dos nossos trabalhos. Queríamos muito participar do Intercom e, mais uma vez, concorrer às premiações para afirmar e reafirmar, para nós mesmas, que o nosso projeto (o site de audiovisual Vemver!) tem funcionalidade e pode contribuir para o fortalecimento de uma identidade cultural”.

Saiba quais os aprovados no Expocom:

1. Categoria RT 06 Blog (avulso) – Blog Entre Redes na Amazônia: consumo, comunicação e pesquisa em Belém do Pará – José Carlos Almeida da Rosa, Andreza Alves, Maíra Matos e Ana Karoline Figueiredo (Estácio)

2. Categoria PT 07 Embalagem (avulso) – Catu – o prazer e a diversão que vão além do corpo – Jobs Machado e Andreza Alves (Estácio)

3. Categoria PT 13 Comunicação e Inovação (avulso) – Projeto TÔ LIGADO e a educomunicação no estado do Pará – Ana Karoline Figueiredo e Andreza Alves (Estácio)

4. Categoria JO 14 Jornal Mural (avulso/ conjunto e série) – Comunicar para integrar: inovação e conteúdo no Jornal Mural da ClÍnica de Medicina Preventiva do Pará (CLIMEP) – Marilene Lima e Andreza Alves (Estácio)

5. Categoria PP 11 Outdoor – VemVer pelas ruas! Proposta de outdoor para divulgação do site Vemver – Sara Lima e Tamires Oliveira (Fapan) 

6. Categoria CA 05. Roteiro de filme de ficção (avulso ou seriado) – A Mulher do moto táxi – Thiago Favacho e Andreza Alves (Estácio)

7. Categoria PP 03 Campanha Publicitária (conjunto/série) – Site Vemver o e audiovisual paraense na tela e na web – Tamires Oliveira e Sara Lima (Fapan)

8. Categoria PP 02. Campanha Promocional – Festival do Folclore de Curuçá: valorizando o povo e a cultura paraense – Marcia Lago e Jacyele Carvalho (Fapen)

Por fim, devo destacar ainda a possibilidade de “mudança de categoria”, o que ocorreu com o José Carlos Almeida da Rosa, que tive a alegria de orientar no TCC e foi premiado como melhor aluno de sua turma durante formatura realizado no início do ano. Agora, “JC” conseguiu aprovações em todas as categorias, com Para encantar quem? A playlist “Pará te encantar”, repetições e a idealização da música na Amazônia, em parceria com José Carlos Almeida da Rosa, Eduarda Dias e Thiago Favacho no Intercom Jr; Blog Entre Redes na Amazônia: consumo, comunicação e pesquisa em Belém do Pará, com Andreza Alves, Maíra Matos e Ana Karoline Figueiredo no Expocom e Preso e aprovado: discurso de ódio, catarse e (res)significações na polêmica aprovação de um detento no vestibular da Universidade Federal do Pará, em DT, em parceria com Ângela Bazzoni (UFPA).

“Fiquei muito feliz e orgulhoso com as aprovações no Intercom. Os trabalhos da Divisão Temática e Intercom Jr. foram trabalhos com duas propostas totalmente diferentes, com linguagens e abordagens diferentes, porém com assuntos pertinentes referente ao nosso dia a dia aqui no Estado do Pará. Particularmente, gosto e procuro fazer parte de trabalhos que falam sobre a região Norte, muito mais do que simplesmente fazer um trabalho como qualquer outro, a gente passa a olhar a nossa região de uma outra forma, além de que é uma contribuição científica para o Estado”, explica.

Os dois trabalhos aprovados nas DTs foram:

1. Preso e aprovado: discurso de ódio, catarse e (res)significações na polêmica aprovação de um detento no vestibular da Universidade Federal do Pará – Ângela Bazzoni (UFPA) e José Carlos Almeida da Rosa (Estácio)

2. Nostálgica e idealizada: representações da “saudade” em Belém através das redes sociais – Minha autoria e Maíra Matos (Estácio)

Sobre a aprovação na DT, José Carlos afirma que “considero ele mais ‘pesado’, inclusive até na hora de escrever o trabalho procurei tomar o máximo de cuidado na colocação das palavras para não acabar fazendo um julgamento de acordo com as minhas concepções, uma vez que tratava sobre uma polêmica envolvendo uma pessoa que cometeu um crime de pedofilia, que já está preso cumprindo a sua sentença e recentemente passou em um vestibular pela Universidade Federal do Pará, virando notícia em diversos portais e sites, fomentando o discurso de ódio, feito por diversas pessoas em posts na internet. Esse, sem dúvidas, foi o trabalho mais desafiador que já fiz, por conta do cuidado por se tratar de assunto delicado, mas ao mesmo tempo fiquei muito feliz em escrevê-lo por se tratar de um tema relevante atualmente, que é a cultura do ódio dentro das redes. O resultado ficou ótimo”, finaliza.

O INTERCOM NORTE 2018

O evento ocorrerá de 22 a 24 de maio de 2018, na Universidade Federal de Rondônia (UNIR), em Vilhena, cidade no sul de Rondônia. O município receberá pela primeira vez a edição do Congresso Regional de Ciências da Comunicação. Mais que isso: será a primeira vez que o evento será realizado em uma cidade que não é capital de um dos sete Estados da região. Saiba mais clicando aqui!

Parabéns e muito obrigado a todos os aprovados! Nos encontramos em Vilhena!

Enderson Oliveira.

Deixe uma resposta