A nova onda da favela

Imagem: Reprodução/ Tumblr Favela Wave
Através da estetização, a imagem de um sujeito o transforma em “homem signo” ou mesmo “homem-favela”, elemento representativo de toda a fisionomia de um espaço. Imagem: Reprodução/ Tumblr Favela Wave

Na contemporaneidade, imagens e cenários de áreas periféricas das cidades, em especial “favelas”, vão se modificando e, principalmente, passam a ter suas representações revistas, (re)criadas, estetizadas. Sejam modificações arquitetônicas (como a criação de conjuntos habitacionais ou projetos de loteamento, entre outros), sejam fatores midiáticos, como programas televisivos e discursos em redes sociais, ou ainda produções artísticas, diversos elementos colaboram para novas discussões acerca não somente do que “seria” a periferia, mas também os modos de representá-la. É neste panorama em que se nota a criação ou recriação de diversas possibilidades estéticas, inclusive das representações do espaço urbano, principalmente através da internet, além de discursos jornalísticos, publicitários e de outras ordens, que servem também como referência para o imaginário que compõe a urbe.
A partir desta mixórdia de referências, eu e o estudante de Publicidade e Propaganda e ilustrador Paulo Dias fizemos o ensaio “Cidade, contemporaneidade e (re)criação na internet: a estetização da periferia através da Favela Wave”, sobre a iniciativa carioca marcada esteticamente pela releitura do movimento estético da Vaporwave e Glitch Art. As plataformas da Favela wave apresentam/ representam os arquétipos locacionais, não somente da cidade do Rio de Janeiro, como de outras metrópoles que possuem tal construção em imagens e vídeos que mesclam signos dos “guetos” atuais com ícones de um futurismo imagético e outras características presentes em tal estética, o que chamou nossa atenção e motivou a análise do tumblr.

Imagem: Reprodução/ Tumblr Favela Wave
Grandes ironias que unem espaço urbano, publicidade e violência estetizada são algumas das marcas da Favela wave. Imagem: Reprodução/ Facebook Favela Wave

O ensaio foi aprovado para o XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, o Intercom, que será realizado de 4 a 7 de setembro no Rio de Janeiro. Depois de cinco anos sem submeter algum trabalho ao evento, voltei a enviar e ter um texto aprovado. É o quinto artigo aceito para o Intercom, primeiro como orientador. Os demais artigos aprovados você pode conferir clicando aqui.
Já para o Paulo, foi a primeira aprovação. “É bem legal ter um primeiro artigo aprovado em um congresso nacional, porque eu sempre gostei bastante da área acadêmica, que eu pretendo seguir ao longo dos anos e sendo coordenado por um grande pesquisador. Fico mais feliz ainda por poder analisar um objeto tão citadino e ligado à contemporaneidade”, destaca. O ensaio também pode ser compreendido como uma provocação, uma inspiração para a produção de trabalhos que observem “temas inusitados”, “não sérios” (Adorno, Adorno…), mas que permitem uma análise séria e que representam e ressignificam – esteticamente também – a contemporaneidade.
Indo além, para ele a base do trabalho foi o grupo de pesquisa Comunicação, Antropologia e Filosofia: estética e experiência na comunicação visual, audiovisual e literária urbana da contemporaneidade de Belém do Pará, o Fisionomia Belém: “Através do projeto de pesquisa Fisionomia Belém, tivemos uma base que ajudou na produção deste trabalho. Apesar de aparentemente não ter ligação direta com o projeto, o projeto também foi um incentivo nessa busca da análise de imagens sobre a cidade”, explica.

A Favela Wave
O tumblr Favelawave foi criado no primeiro semestre de 2015. Além do site, há ainda uma página no Facebook, onde são veiculados notícias e vídeos que apresentam e mesmo incentivam a estética Vaporwave, que teve início após a primeira década do século XXI.

Imagem: Reprodução/ Tumblr Favela Wave
“Favela Glitch”. Uma simples partida de futebol entre alguns garotos em um momento de lazer é estetizada através da Vaporwave e Glitch Art. Imagem: Reprodução/ Tumblr Favela Wave

Na Vaporwave, o pensamento futurista decadente da década de 1990 é explorado através de ícones gráficos que remetem ao início da internet, à popularização do computador e à produção de imagens caseiras através das câmeras VHS. Uma das vertentes e técnicas existentes na estética Vaporwave é da Glitch art, que se utiliza de erros exagerados em imagens causados preferencialmente por alterações na codificação das figuras. A Vaporwave e a Glitch art partilham e instigam, então, uma “estética da imprecisão”.
Nas publicações do tumblr, percebe-se que a junção de filtros mimetiza a estética de vídeos de meados de 1990 com imagens de comunidades periféricas cariocas não identificadas, dando margem a uma possível compreensão de que tais lugares são semelhantes – também a áreas de outras cidades e mesmo países, por que não? – e não possuem tantas diferenças entre si. Indo além, percebe-se certa ironia ou mesmo provocação ao reunir elementos díspares, sem sentido claro em um primeiro momento – e não raramente nas seguintes miradas.

Recentemente foi lançado o EP "Favela Trap House", unindo mashups de funks, inserções de falas e de outros sons e ruídos.
Recentemente foi lançado o EP “Favela Trap House”, unindo mashups de funks, inserções de falas e de outros sons e ruídos.


Para Paulo, “o Favela Wave é resultado de uma representação mais explícita de uma realidade urbana com a apropriação estética de diversas vertentes imagéticas, coisa que acontece todo momento na contemporaneidade. Neste caso, no entanto, eles materializaram essa representação em imagens no seu tumblr e notar isso nas análises é bem interessante. Pesquisar sobre esses novos aspectos comunicacionais presentes nas cidades pós-modernas ainda é complicado talvez por ser algo “novo” ou por ser algo que ainda divide opiniões mas facilitar a compreensão de tais fenômenos, é preciso”, finaliza.

Veja o resumo do trabalho:
Este ensaio discute o processo de estetização de imagens de áreas “periféricas”, notadamente favelas do Rio de Janeiro, publicadas no tumblr Favelawave. Para fins de análise, tais objetos foram divididos e “agrupados” em categorias ou mesmo eixos de “interpretação”: a favela (ou o espaço); a marginalização e os hábitos e costumes dos indivíduos. Há ainda uma quarta “categoria”, que denominamos “simbiose”, onde os eixos anteriores dialogam, interseccionam. Partindo do fato de que as imagens são modificadas através da Vaporwave e Glitch art, discutimos o quanto tais apropriações ou mesmo adaptações apontam para, mais que uma modificação estética, mudanças em processos nas comunicações e nas representações urbanas, potencializadas pela internet.
Ficou curioso para ler o trabalho? Aguarde a publicação 🙂

Enderson Oliveira

Deixe uma resposta